Unidades Escolares
Colibri Gracinha
Unidades Socioassistenciais
Clarisse Gracinha

Notícias

Semana de Combate à Violência no Centro Clarisse
30/05/2017

Entre os dias 15 e 19 de maio foi realizada na região do Butantã a Semana de Combate à Violência, ação que visa estimular a reflexão e o diálogo sobre as diversas formas de violência, em especial o abuso, a exploração e violência sexual contra crianças e adolescentes. A atividade foi organizada pelo FOCA-BT (Fórum de Defesa de Direitos Humanos de Crianças e Adolescentes) e contou com a participação de ambos os centros de convivência da Associação na promoção de uma semana recheada de atividades, em que os educandos não só participaram aproveitando as atividades, como também protagonizando outras, sendo eles os próprios executores destas. Aqui você confere um pouco do que rolou no Centro de Convivência Clarisse.

Na segunda-feira, iniciamos com uma roda de conversa interativa, na qual falamos sobre o Caso Araceli, crime brutal ocorrido em 1973, buscando trazer o contexto do dia 18 de maio, além de apresentação de vídeos tratando da violência racial e contra mulheres e a relação que as crianças têm com essas, buscando um paralelo entre a violência cometida contra mulheres e contra crianças.

Isso aqueceu um rico e proveitoso debate para iniciarmos a semana, que seguiu com uma visita especial terça-feira ao Parque Chácara do Jóquei, num encontro com Esmeralda Ortiz.
Esmeralda Ortiz é palestrante, cantora e escreveu o livro Esmeralda – Por que não dancei?, e foi a partir deste livro que Esmeralda começou a nos contar sobre sua vida, sobre as violências, uso de drogas, o sofrimento e a resistência de ter morado na rua durante anos, sendo uma mulher negra, pobre e que foi presa por diversas vezes quando menor de idade. Mas ela resistiu, encontrou pessoas e oportunidades que a ajudaram a se reerguer, não dançar na vida e poder conversar com os educandos dos CCAS Clarisse, Gracinha e alunos da Escola da Vila, que ficaram compenetrados nas histórias que Esmeralda tinha pra contar, riram com ela e se emocionaram com o samba que ela nos mostrou, de sua autoria. Após a conversa, todos se deliciaram com um piquenique no parque.

Na quarta-feira foi dia de arte urbana com os artistas e voluntários do Clarisse, Gustavo Ramos e Diego Fagundes, no Parque Raposo Tavares. Gustavo e Diego conversaram com os educandos dos CCAs Clarisse e São Miguel sobre o quanto o grafite e o rap foram alternativas perante a criminalidade, e hoje em dia é o trabalho dos dois jovens do Jardim Jaqueline. Após a conversa, enquanto alguns educandos se divertiam grafitando um tapume com Diego, outros se reuniram com Gustavo e fizeram uma roda de rap, improvisando rimas e cantando músicas.
Na quinta-feira, 18 de maio, nosso dia de atividades foi no Parque Vila Lobos, onde diversos CCAs, escolas e aparelhos públicos da Assistência Social de São Paulo estavam realizando atividades em várias tendas e palco montados especialmente para esse evento.

Alguns educandos dos CCAs Clarisse e Gracinha ficaram na tenda “Descobrindo meu corpo através das histórias”, onde se revezaram em grupos para apresentar um teatro de fantoches, com 3 historinhas curtas que falavam sobre os direitos e deveres das crianças e, por fim, que o direito aos seus próprios corpos deve ser respeitado. Os educandos ficaram livres para passear por todas as tendas de diferentes temas, algumas buscando conscientizar sobre sexualidade e a importância da prevenção, outras sobre os perigos do consumo de drogas em bailes funk, outra falava sobre a importância de se combater à homofobia para uma sociedade mais justa.

Apresentações de dança, teatro, músicas e rap foram feitas no palco onde os protagonistas do dia foram os adolescentes de diversos centros. O dia foi recheado de interações e diversão para os educandos e educadores, que se envolveram com as atividades e fizeram um dia importante ser lembrado e ganhar grande visibilidade.

Nossa semana chegou ao fim, mas a bagagem de conhecimento, aprendizagens, vivências, diversão, cultura e protagonismo jovem que ela nos proporcionou enriqueceram muito a todos e todas que se envolveram com a Semana de Combate à Violência, Exploração e Abuso Sexual de Crianças e Adolescentes. E conseguimos, em união, mostrar que bem organizados e atuantes podemos alçar voos e descobrir novas formas de viver e se relacionar consigo mesmo, com o próximo, com a nossa comunidade e na ocupação de espaços públicos de nossa cidade, de forma mais justa, respeitosa e feliz.
Confira as fotos das atividades realizadas ao longo da semana.